Treze

 

Treze_capa

Sinopse:

Ao abrir as páginas desse tomo, você encontrará histórias de horror, bem ao estilo das antigas narrativas weird. No universo de Duda Falcão habitam monstros antediluvianos, demônios, vampiros, bruxas, feiticeiros e criaturas reanimadas trazidas das garras da morte. Pessoas comuns transitam nesse mundo das trevas, desde estudantes universitários a fotógrafos, detetives despreparados e crianças inocentes. Confira essa obra e trilhe os caminhos inusitados do pulp.

O Anfitrião está de volta!

O Anfitrião está de volta!

Prefácio escrito por Marco Aurélio Lucchetti:

O TREZE DE DUDA FALCÃO

Duda Falcão graduou-se em História, especializou-se em Literatura Brasileira e tornou-se mestre em Educação. E, atualmente, além de lecionar numa faculdade, é editor (em 2010, ele fundou, junto com Cesar Alcázar, a Argonautas Editora, especializada no gênero Fantástico e cujo carro-chefe é a série Sagas, que já está no quinto volume), organizador de antologias e escritor (na introdução do livro Estranho Oeste¹, Cesar Alcázar o chama de “autor campeão de antologias”).

O primeiro livro escrito por Duda Falcão que li foi Mausoléu, um grosso volume com mais de 330 páginas e quase quatro dezenas de contos. A capa, um trabalho de Fred Macêdo, e o conteúdo de Mausoléu logo me fizeram lembrar dos gibis Creepy e Eerie. Na verdade, o livro, que conta com a presença d’O Anfitirão (é ele que nos introduz no mundo de pesadelos forjado por Duda), é uma das maiores homenagens já feitas a essas duas revistas, publicadas nas décadas de 1960 e 1970 pela editora norte-americana Warren.

Terminei de ler Mausoléu nos meados de setembro deste ano. Então, perguntei-me quando iria ler um novo livro de Duda Falcão. A resposta não demorou a vir. No dia 28 de setembro, recebi um e-mail enviado por Duda, no qual ele dizia o seguinte: “Mais uma vez eu por aqui te fazendo um convite. Estou procurando por um prefaciador para o meu novo livro: Treze. Os contos são de Horror/Terror. Você é a minha primeira opção. Em anexo, envio o arquivo para você dar uma olhada. Caso tenha interesse em fazer o prefácio, eu precisaria dele pronto até o final de outubro. O prefácio do Mausoléu, meu livro anterior, foi feito pelo Cesar Silva, também um pesquisador de renome como você. Uma coisa é bem importante: se você não tiver tempo ou não gostar do livro não precisa se comprometer. O.k.?  Uma resposta negativa não altera nossa amizade.”

O convite de Duda me encheu de alegria e entusiasmo. Eu nunca poderia lhe dizer não, já que tinha certeza de que ele iria mostrar em Treze a mesma maestria demonstrada em Mausoléu para narrar histórias de Horror/Terror.

Agora, aqui estou escrevendo o prefácio de Treze.

Quando recebi o original, confesso que o título não me agradou muito. Entretanto, com o passar dos dias, essa minha opinião foi mudando. E, hoje, penso que Duda deu ao seu livro o título perfeito; não poderia ter escolhido um título melhor.

Treze é um número polêmico. Alguns, os mais supersticiosos, acreditam que ele traz má sorte. Eu, como não sou nem um pouco supersticioso, julgo que é um número como outro qualquer. Mas por que Duda Falcão deu ao seu livro o título de Treze e por que eu disse que esse era o título perfeito e que não poderia ter sido escolhido um título melhor? Ora, porque treze são os contos do livro. Inclusive, o último deles intitula-se “Treze”.

Todas as histórias de Treze têm títulos bastante sugestivos, como: “Almas Roubadas”, “Senhora do Fosso”, “O Vampiro Cristão”, “Devoradores de Narrativas”. Nelas vamos encontrar alguns elementos clássicos do Horror/Terror: demônios, monstros, vampiros, feitiçaria… E numa delas, “Sob os Auspícios do Corvo”, cuja ação se passa no Velho Oeste norte-americano, temos a presença de Kane Blackmoon, um caçador de recompensas mestiço que fez sua primeira aparição no conto “Bisão do Sol Poente”².

Por outro lado, em algumas das histórias (“Abismos Insondáveis”, já aparecida anteriormente na antologia Ascensão de Cthulhu³, é uma delas) –, nota-se a influência da obra (sobretudo as narrativas relacionadas com os Mitos de Cthulhu) do escritor estadunidense Howard Phillips Lovecraft (1890-1937) nos textos de Duda.

Em outra história, “Eadgar e o Resgate de Lenora”, Duda Falcão nos faz lembrar imediatamente das narrativas do bárbaro Conan, escritas por Robert E. Howard (1906-1936), e de “O Corvo”, o mais belo e genial poema criado por Edgar Allan Poe (1809-1849).

E há uma história que chamou por demais minha atenção: “Os Bonecos de Rita”. Ela tem apenas três personagens: o pai, a mãe e a filha, a menina Rita. E é uma história simples; mas seu final é horripilante, aterrador.

Bem, não quero tomar mais o tempo dos leitores. Porém, não posso deixar de dizer que as histórias de Treze devem ser apreciadas principalmente em noites de vendaval, quando é possível ouvir o ruído do vento gelado, que, assemelhando-se ao som de gemidos de espíritos errantes, vem açoitar nossas janelas…

NOTAS:

¹Esse livro, segundo volume da série Sagas, foi lançado pela Argonautas Editora em 2011.

²“Bisão do Sol Poente” apareceu primeiramente na antologia Estranho Oeste, que apresenta cinco contos – todos ambientados no Velho Oeste e do gênero Weird Western – escritos por alguns dos melhores autores brasileiros de histórias fantásticas. Depois, foi republicado em Mausoléu, que foi lançado em 2013 pela Argonautas Editora.

³Publicada pela Argonautas Editora em 2014, essa antologia reúne, além da história de Duda Falcão, contos de outros seis autores brasileiros que se inspiraram na mitologia criada por H. P. Lovecraft.

Marco Aurélio Lucchetti é licenciado em Letras, mestre em Ciências da Comunicação – Jornalismo e Editoração e doutor em Artes – Cinema. Pesquisa há mais de trinta anos Quadrinhos, Cinema, revistas pulp e literatura de Detetive & Mistério. Colaborou, nos anos 1980 e 1990, em diversos fanzines brasileiros. Escreveu A Ficção Científica nos Quadrinhos (Edições GRD, 1991), As Sedutoras dos Quadrinhos (Opera Graphica Editora, 2001), Desnudando Valentina – Realidade e Fantasia no Universo de Guido Crepax (Opera Graphica Editora, 2005), entre outros livros. É o editor da Coleção R. F. Lucchetti, da Editorial Corvo.

Capa_Treze_web

RESENHAS:

Carlos André Moreira: Coletânea de contos Treze faz diálogo com horror clássico. – Jornal Zero Hora 

Amanda Leonardi: Treze, a antologia fantástica de Duda Falcão – Nota Terapia

Renan Neto: Os contos de Duda Falcão que irão te ajudar a mestrar Call Of Cthulhu – Rolando Dados 

Rodrigo Mesquita: Treze o livro de contos de Duda Falcão. – Abacaxi Voador Nerd Libris

Carlos Fernando – M de Maria

Camila Monteiro – Vida Complicada demais 

Marcos de Souza – Desbravador de Mundos 

Léo Otaciano – Marcas Literárias

Paty – Portal Ju Lund

Fernando Nery – Filósofo dos Livros

Tábatha Belzareno: Canal: Somos livros, somos livres!

Alexandre Callari – Canal: Pipoca e Nanquin – Vídeo Resenha (3:52)

Alex Silva – Canal: Pobreza Nerd – Vídeo Resenha

Everaldo – Canal: Estante Etérea – Vídeo Resenha

Rubens Rubisco – Canal: Ler Vicia – Vídeo Resenha

William de Oliveira – Canal: Literatura Dark – Vídeo Resenha

Fernando Nery – Canal: Filósofo dos Livros – Vídeo resenha

Lucas Dallas – Canal: Pulp Fictions – Vídeo Resenha

Daniel Moraes – Canal: Irmãos Livreiros – Vídeo Resenha

Guilherme Fernandes – Canal: Nirvana Literário – Vídeo Resenha

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s